A Luta

Médicos da UBS Calábria relatam problemas de estrutura para atendimento

10/05/2019

A diretora do Simers Alessandra Felicetti vistoriou na tarde desta quinta-feira (09/10) a UBS Calábria, na Zona Sul de Porto Alegre e encontrou um quadro comum em diversas unidades da Capital: condições de trabalho inadequadas, falta de medicamentos e de materiais e até relatos de ameaça de agressão.

Segundo relato dos médicos, alguns materiais como toalhas de papel e itens de higiene precisam ser adquiridos pelos próprios profissionais do posto, pois não estão sendo fornecidos pela Secretaria Municipal da Saúde. A manutenção da unidade também não é adequada. 



Pátio abandonado na UBS Calábria

As condições verificadas no pátio da unidade são de abandono. Entulhos depositados no local, falta de capina e até uma galinha circulando foram as cenas identificadas pela diretora do Simers. A preocupação da entidade é com a possibilidade de contaminação dos pacientes por outras doenças, como dengue, por exemplo. 




Na sala dos agentes de saúde, uma folha de papel pardo faz as vezes de cortina. A falta de segurança também é uma preocupação dos profissionais, que relatam episódios de ameaças de agressão e de brigas entre pacientes no interior da unidade, além de assaltos em frente ao posto. Há problemas também no dispensário de medicamentos, onde alguns itens estavam em falta.



Problemas no Sistema de Gerenciamento de Consultas

Outra dificuldade apontada pelos médicos é o encaminhamento dos pacientes que necessitam de exames e consultas especializados, que devem ser solicitados por meio do Sistema de Gerenciamento de Consultas (Gercon) da Capital.

Há registros de pacientes cujo tempo de espera é de até dois anos. Segundo os médicos, em muitos casos isso ocorre por que os reguladores exigem exames que não são possíveis de serem solicitamos por uma unidade básica.

O Simers está atento ao cenário encontrado na UBS Calábria e cobrando providências da gestão municipal. 

SEGUROS