A Medicina

Plano de saúde de 81 senadores custa mais de R$2 milhões por ano

29/02/2016 12:35

WD-Senado-20151126-1 Enquanto os governos federal, estadual e municipal destinam US$ 525, ou seja, pouco mais de R$2 mil reais por ano para a saúde de cada brasileiro, os planos de saúde de 81 senadores custam mais de R$2 milhões no mesmo período. O polpudo plano de saúde de R$ 25.998 inclui tratamentos médicos e odontológicos que beneficiam ainda ex-parlamentares e familiares. Os ex-senadores podem apresentar notas de até R$ 32.958,12 por ano com despesas do tipo. Mais do que isso, o plano de saúde do Senado tem custo zero para os usuários e é integralmente bancado pelos contribuintes. Os números comprovam o que uma pesquisa, realizada pelo Datafolha, a pedido do Conselho Federal de Medicina, divulgada em setembro do ano passado, apurou junto aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Cerca de 77% afirmam que o governo é falho na gestão dos recursos da saúde pública e 53% relatam que o SUS não tem recursos suficientes para atender bem a todos. A saúde no país é a principal preocupação do brasileiro. De acordo com o levantamento, 43% dos entrevistados acreditam que a área deveria ser tratada com prioridade pelos governos. Na contramão disso, a lista de benefícios dos deputados, por exemplo, inclui itens imensuráveis, especialmente diante de um cenário de crise e colapso da saúde pública. Além de plano de saúde, os parlamentares têm à disposição os serviços prestados pelo Departamento Médico da Câmara e podem ser reembolsados com suas despesas médico-hospitalares casos os serviços tenham sido prestados fora da Casa - isso tudo para pouco mais de 500 deputados. Ao mesmo tempo, o longo tempo de espera para ser atendido no SUS é o principal fator que leva os cidadãos a classificarem o serviço como ruim ou péssimo. Conforme o CFM, 44% dos brasileiros precisam esperar mais de um ano para conseguir agenda para uma cirurgia, por exemplo.    
SEGUROS