O Médico

Incoerência: MEC não financia novas bolsas de residência, mas abre mais cursos de medicina

31/10/2016 14:20

MEC não financia novas bolsas de residência médicaRecentemente, o Ministério da Educação (MEC) emitiu documento informando que não criará novas bolsas de residência para médicos e profissionais de outras áreas da saúde em 2017. Em nota, o argumento dado é o impacto dos cortes orçamentários. De acordo com o diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde do MEC, Dioclécio Campos Júnior, “será mantido apenas o quantitativo de bolsas financiadas em 2016, incluindo os R1”. Para o SIMERS, a decisão é incoerente. Mais do que isso, demostra falta de planejamento dos recursos públicos. Ao mesmo tempo em que autoriza a abertura de 39 novas faculdades de medicina no Brasil (quatro delas no RS), o Ministério nega a criação de mais vagas para que os profissionais possam se especializar.

Na fila de espera

O contrassenso é ainda maior quando analisada a situação da saúde no país. Segundo números da Secretaria de Saúde de Porto Alegre, só na capital gaúcha 87,8 mil pacientes esperavam por uma consulta especializada em julho. No mesmo mês, o Sindicato mostrou dois casos que servem para ilustrar as dificuldades enfrentadas pela população. Em Alvorada, familiares de Zilá Bueno da Silva receberam retorno para uma consulta com reumatologista 11 anos após sua morte. Em Cachoeirinha, Norina Reus Vieira, 80 anos, precisou esperar quatro anos por uma consulta com especialista para tratar a osteoporose. Assim como elas, outras tantas pessoas já passaram - e passam - pela mesma situação. A conquista de uma saúde pública que realmente funcione também passa pelo financiamento adequado da educação no país. Com universidades e hospitais-escola que ofereçam oportunidade de vagas, mas sem se esquecer da estrutura e da qualificação necessárias. Essa é uma das lutas diárias do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul.
SEGUROS