A Luta

Médicos da UPA Scharlau não recebem desde o final do ano passado

02/03/2017 16:37

A UPA Scharlau, inaugurada em abril de 2016 para proporcionar avanços na assistência à saúde em São Leopoldo, já passa por problemas. A Futura Saúde, empresa responsável pela gestão da unidade, tem atrasado frequentemente o pagamento dos médicos, que estão sem receber desde dezembro do ano passado. A Futura alega falta de repasse do município. Além disso, há falta de medicamentos e materiais de trabalho, prejudicando o exercício da Medicina. Diante dessas situações, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) esteve reunido, nesta quinta - feira (02) com o prefeito do município,  Ary Vanazzi (PT), o Secretário Municipal da saúde, Marcel Frison e o Secretário Adjunto de Gestão, Ricardo Fernandes da Luz, na prefeitura, para debaterem a questão.
Adami esteve reunido com representantes da prefeitura. Foto: Divulgação/SIMERS
Adami esteve reunido com representantes da prefeitura. Foto: Divulgação/SIMERS
Durante o encontro, Vanazzi afirmou que o município está preocupado com a situação da UPA e que a renovação de contrato com a Futura, que tem vencimento dia 28 de março, está sob análise. "Enxergamos a situação da UPA com bastante preocupação. Iremos rever o contrato com a empresa que administra a Unidade de Pronto Atendimento, o modo de contratação dos profissionais e, a partir disso, tomaremos uma posição", garantiu. O prefeito também afirmou que está à disposição do SIMERS para trabalharem em conjunto na resolução do problema. O secretário municipal de Saúde afirmou que nos últimos dois meses o município está garantindo que os recursos da UPA Scharlau sejam destinados, realmente, para a unidade de saúde.  "Nossa gestão já repassou R$ 1 milhão para a Futura Saúde com o objetivo de garantir o pagamento dos trabalhadores e insumos necessários para unidade de pronto atendimento. Também estamos trabalhando na maior divulgação da UPA e promoção de mais linhas de ônibus, fornecendo a população acesso mais fácil ao estabelecimento, além de treinamento aos servidores das unidades de saúde do entorno para que encaminhem para a UPA os casos que realmente devem ser atendidos naquela unidade. Esta iniciativa visa aumentar o número de atendimentos no local, compatível com o porte da UPA" disse Frison. A entidade médica aguardará até o fim do mês de março a execução das medidas propostas pelo governo municipal. "Entendemos que existe por parte da prefeitura uma movimentação para avaliar a continuidade do contrato com a terceirizada. Vamos levar as informações ao grupo de médicos e aguardar a análise minuciosa das contas pelo município", garantiu o diretor do SIMERS Willian Adami.
SEGUROS